A ferramenta WMS no gerenciamento de depósitos, armazéns e centros de distribuição.


Nos dias de hoje, com o ambiente empresarial cada vez mais competitivo, a tecnologia de informação, quando bem utilizada, torna-se um forte diferencial entre as empresas pela busca na excelência do atendimento ao cliente. Dessa forma, cada vez mais as empresas buscam alternativas para facilitar o gerenciamento de suas atividades, visando aumentar o controle e obter informações precisas que possam de fato agilizar a tomada de decisões e, conseqüentemente, melhorar o nível de serviço prestado.

A evolução da tecnologia de informação vem transformando a gestão de operações e a logística. Como exemplos, podemos citar o uso do código de barras, o EDI (Electronic Data Interchange ou intercâmbio eletrônico de dados), o RFID (Radio Frequency Identification ou Identificação via Radiofreqüência) e o Rastreamento de Frotas com Tecnologia GPS (Global Positioning System). Todas essas tecnologias não servem apenas para aumentar a velocidade do fluxo de informações, mas também para me-lhorar a exatidão das informações.

Pontualmente, no caso específico dos depósitos, armazéns e grandes centros de distribuição (CD), os sistemas de gerenciamento conhecidos como WMS (Warehouse Management System) podem ser considerados uma boa alternativa para otimizar a atividade de armazenagem, já que buscam maneiras de otimizar espaços e organizar o fluxo e a distribuição dos produtos.

O WMS é um sistema de gestão de armazéns e/ou CDs que otimiza todas as atividades operacionais (fluxo de materiais) e administrativas (fluxo de informações) dentro do processo de armazenagem, incluindo atividades como: recebimento, inspeção, endereçamento, armazenagem, se-paração, embalagem, carregamento, expedição, emissão de documentos e controle de inventário.

O WMS surgiu da necessidade de se melhorar os fluxos de informação e de materiais dentro de um depósito, armazém ou CD, tendo como resultados principais a redução de custos, a melhoria na operação e o aumento do nível de serviço prestado aos clientes. A otimização proporcionada pelo WMS permite que haja um aumento da precisão das informações de estoque, da velocidade e qualidade das operações do CD e da produtividade do pessoal e equipamentos. Isto se tornou possível devido ao surgimento de novas tecnologias de informação tanto em hardware quanto em software.

Os sistemas de gerenciamento de armazéns sugiram da evolução dos antigos sistemas de controle de armazéns ou Warehouse Control Systems (WCS). Algumas funções adicionais foram sendo agregadas à medida que o WCS evoluía de um simples sistema de controle para um sistema mais complexo, capaz de emitir sugestões ou realizar cálculos.

Até meados da década de 1970 o WCS somente possuía a habilidade de controlar as transações de entrada e saída em estoque e a respectiva baixa de tais movimentações contra os pedidos de fornecedores e clientes. A partir de então, surgiram os primeiros sistemas de controle de endereçamento, que passaram a ter a preocupação com a localização do produto em um “endereço” no armazém ou CD. Essa evolução permitiu que os produtos deixassem de ter locais fixos e passassem a ser estocados em diferentes áreas dos CDs de acordo com a disponibilidade, e com isso foi possível aumentar a densidade de armazenagem.

A principal diferença entre o WMS e o WCS é que este último não é um gerenciador de armazéns, diferenciando-se assim do WMS em alguns aspectos. O WCS não oferece uma variedade de relatórios para auxiliar no gerenciamento das atividades; não tem flexibilidade de hardware; a customização é limitada à mudança de campos e nomes e a sua instalação não pode ser feita de forma modular, somente integral. A contrapartida de todos esses aspectos negativos é que ele oferece um ótimo acompanhamento e controle das atividades (se limitado a controle) com custo reduzido de software e hardware requeridos para a sua implementação.

BENEFÍCIOS DO WMS

Um dos benefícios gerados pelo WMS é a otimização do espaço na área de estocagem. O sistema tem como uma de suas funções a sugestão do melhor local para armazenar um determinado produto na hora do seu recebimento, evitando assim que o operador percorra todo o CD em busca de um local disponível para armazenar.

Um WMS possibilita a otimização operacional através do aumento da produtividade, otimização dos espaços e me-lhoria da utilização dos recursos (equipamentos de movimentação e estocagem). Esses benefícios são devidos aos se-guintes pontos:

Controle Operacional (o WMS fornece as tarefas a serem feitas);Redução do tempo perdido com esperas;Redução do tempo morto dos recursos de movimentação;Otimização do percurso de separação de pedidos;Estocagem otimizada através de uma localização pela curva ABC de giro;Aumento da densidade de estocagem, diminuindo distâncias a serem percorridas.

Outro benefício associado ao WMS é a disponibilidade online da real quantidade em estoque. Funcionando em tempo real, um WMS pode apoiar reduções nos lead times tanto para o processamento de pedidos quanto para o gerenciamento de inventário. Esses benefícios, por sua vez, podem proporcionar um melhor nível de serviço ao cliente e um giro mais rápido do estoque, podendo, assim, ser traduzidos em economias financeiras às operações do CD.

No ambiente competitivo atual, empresas vêm traba-lhando com lotes menores, maior freqüência dos pedidos e a necessidade de menores prazos de entrega, fatores estes que causam aumentos de custos logísticos, obrigando os responsáveis pelos armazéns e CDs a buscar soluções de processos que aumentem a produtividade do pessoal e dos equipamentos do depósito.

O WMS, através do seu gerenciamento de tarefas e da possibilidade de trabalhar com equipamentos de movimentação automatizados, pode proporcionar grande redução de custos com pessoal, já que reduz a necessidade de equipamentos para uma mesma quantidade de movimentações, em comparação com os sistemas tradicionais.

Alguns autores destacam que, nos sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), o WMS é um dos muitos módulos já disponíveis no mercado, cujo principal objetivo é gerenciar o fluxo de informações, através do controle de posições, lote e regra FIFO, entre outras funcionalidades. Ao se ter um WMS aliado a um ERP, a possibilidade de troca de dados entre eles é maior. Com isso evita-se retraba-lhos, como por exemplo a atualização de cadastros. Entretanto, para outros autores, o WMS é um aplicativo analítico que não necessariamente faz parte do ERP (sistema transacional), sendo portanto um software que pode ser comercializado à parte.

Independentemente de ser ou não um módulo do ERP, o WMS pode otimizar os negócios de uma empresa com redução de custos e melhoria do serviço ao cliente, sendo a sua integração com os sistemas ERP fortemente recomendável. A redução de custo está associada à melhoria da eficiência de todos os recursos operacionais, tais como equipamentos e mão-de-obra. Por outro lado, a melhoria do serviço ao cliente pode ser atribuída ao fato de os erros e falhas de separação e entrega serem minimizados, bem como à agilização de todo o processo de atendimento ao cliente, combinando melhorias do fluxo de materiais com melhorias no fluxo de informações. 

CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES DE UM WMS

São cinco atividades básicas desempenhadas num CD (recebimento, movimentação, armazenagem, picking e expedição), como também algumas atividades que foram agregadas ao escopo inicial de um sistema de controle de armazéns graças à evolução da tecnologia. ).

O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM WMS

O sucesso da implementação de um WMS e a sua integração com os demais sistemas já implementados em uma empresa normalmente estão relacionados com os objetivos esperados pela alta administração. Em geral, estes objetivos são:

Redução no nível de estoque;Melhoria no nível de serviço junto ao cliente em virtude do real conhecimento do que existe disponível   em estoque;Melhor utilização do espaço físico.

Para que esses objetivos sejam atingidos, existem dois fatores críticos de sucesso. São eles:

Comprometimento e apoio explícito da alta administração;Uso da estrutura organizacional adequada à cultura e à situação do momento.

O projeto possui duas grandes etapas: processo de implementação (ou concepção geral) e a implementação em si.

O processo de implementação, ou concepção geral, tem por objetivo coordenar todas as atividades a serem desenvolvidas, além da alocação de pessoal, disponibilidade de equipam