©2019 by Latin America Industry 4.0 Observatory. Proudly created by GPIPP/University of Brasília

Tecnologia 5G chegará ao Brasil em 2020.


O Conselho Superior de Inovação e Competitividade (Conic) da Fiesp recebeu no ano passado (24/10/2019), o Sr. Paulo Rocha, solutions director, Brazil & Southern cone global enterprise CT da Nokia, que falou sobre a aplicação do 5G na indústria 4.0.

“5G não é só rádio, ele está na rede móvel. O software é o principal componente da rede 5G. A indústria 4.0 vem para resolver produtividade, controlando o mundo físico por meio da tecnologia digital. E a Nokia vem para habilitar essa digitalização da indústria, em que sensoriamento é a palavra chave”, explicou.

Segundo o executivo, o Uruguai é o primeiro país da América Latina a implantar uma rede de dados 5G em seu território. “Além de maior velocidade, o 5G traz mais confiabilidade, sendo possível ter todo o chão de fábrica conectado”, completou.

É nesse contexto da Indústria 4.0 que surge a necessidade de conexões em alta velocidade. A tecnologia 5G intensificará a utilização de tecnologias pilares da indústria 4.0, principalmente a computação em nuvem e internet das coisas (IoT), além da ampliação significativa do uso de sensores — fundamental para os robôs autônomos. Toda essa tecnologia será beneficiada com a velocidade impressionante que será proporcionada pela tecnologia 5G.

Além disso, a nova rede pode auxiliar nas operações de uma indústria, tornando-as mais flexíveis, seguras e eficientes. Isso permite que os fabricantes aproveitem a automação, inteligência artificial, realidade aumentada e IoT de forma mais fluída.

Com uma conexão mais rápida, robôs podem ser configurados, monitorados e controlados remotamente. Isso ajuda a solucionar diversos problemas produtivos, reduzindo os custos de falhas e o tempo de inatividade da produção.

Todas as indústrias serão beneficiadas pela nova conectividade, pois haverá a capacidade de maior de transporte de dados em velocidades ultrarrápidas. Os processos produtivos também serão radicalmente simplificados. Como o 5G está intimamente integrado às redes móveis, os segmentos mais dependentes desses processos produtivos terão maior impacto.

Em entrevista para o Bloomberg, Leonardo Euler de Morais, presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), confirmou que o leilão da frequência 5G não ocorrerá em março de 2020, como era planejado, mas que é provável que o edital seja publicado no segundo semestre.

Veja a proposta brasileira em http://www.abranet.org.br/media/MCTIC-5G-Abranet.pdf?UserActiveTemplate=site .

12 visualizações